...

Como o coronavírus impacta no agronegócio?

Assunto mais comentado do momento, apesar de baixa taxa de mortalidade, a rápida disseminação da pandemia causada pelo Covid-19 assusta a população mundial em diversos aspectos. Mas como o vírus afeta o agronegócio?


Na economia mundial, o surto de coronavírus tem trazido efeitos negativos.A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico diminuiu a projeção para o crescimento mundial em cerca de 0,5% em função da pandemia. Atualmente, a Europa é a região mais afetada, com muitos países declarando estado de emergência. No Brasil, o técnico do Departamento de Economia Rural da Secretaria da Agricultura e do Abastecimento, Edmar Gervásio afirma que ainda é cedo para medir os impactos do Coronavírus no agronegócio. “Quando tem um cenário nesse sentido, tem uma tendência da economia retrair como um todo. Todos os países acabam sendo impactados. É preciso aguardar algumas definições para poder traçar esse cenário”, diz Edmar. Já Carlos Caldarelli, professor de economia da Universidade Estadual de Londrina avalia que o surto do coronavírus não será suficiente para causar impacto significativo no agronegócio Brasileiro. Segundo Carlos, existirão impactos pontuais em alguns mercados, sobretudo naqueles em que a China é principal parceira do Brasil, mas conforme o professor, não tem a capacidade de alterar a dinâmica do agronegócio brasileiro. Carlos pontua que o fator pode ser explicado pelo fato de que o agronegócio nacional é muito bem estabelecido, com muitos parceiros em diversos mercados, ou seja, teremos impactos, mas serão pontuais e passageiros. Um ponto considerável é que as oscilações do câmbio podem encarecer os insumos importados, o que torna os produtos exportados pelo Brasil mais baratos e, sendo assim, mais competitivos. Para concluir, o professor da UEL afirma: “Em específico no agronegócio, teremos registro de algumas perturbações em mercados específicos, mas pontuais e passageiras. Nada substancial que mude a dinâmica do setor”. As informações do Secretário de Comércio e Relações internacionais do Ministério da Agricultura, Orlando Leite,são de que ainda não foram registradas disrupções nas exportações nacionais. Anteriormente, o agronegócio brasileiro já precisou passar pelo gerenciamento de crises causadas pela proliferação de doenças virais, como aconteceu com a H1N1, popularmente conhecida como gripe suína. Em situações como essas, a correta gestão dos negócios é essencial, principalmente tratando-se da agricultura familiar. Nesses momentos, mais uma vez a tecnologia surge como uma ferramenta aliada. Sempre pensando no pequeno produtor, nós da Culte somos a oportunidade de integração e inclusão tecnológica, oferecendo o Marketplace, um espaço onde os produtores rurais podem divulgar sua produção para todo Brasil, como uma loja virtual, que na atual situação se mostra uma excelente alternativa de transações comerciais, agregando maior segurança e praticidade nos negócios, e uma conta digital especificamente focada no agro, com a qual o produtor pode gerar boletos para suas vendas, manejar transações bancárias, como transferências, consultar saldo e realizar pagamentos, o que se mostra a melhor e mais segura alternativa, principalmente nesse momento, tendo em vista o fato de que o dinheiro físico se tornou “veículo” na transmissão de doenças, inclusive do coronavírus. Mediante ao atual cenário mundial, a própria OMS (Organização Mundial da Saúde) aconselha a utilização da tecnologia como forma de pagamento, evitando o contato direto com o dinheiro físico e consequentemente, a proliferação ainda maior da Covid-19. Tá esperando o que pra fazer seu cadastro? Não perca mais tempo! Acesse www.culte.com.br e confira.