...

Quem são os atores da agricultura familiar?

Quando os portugueses chegaram no Brasil, em 1500, estavam procurando por pedras preciosas. Não encontraram, o que fez o Brasil ser esquecido até 1530. A ocupação iniciou após os portugueses descobriram algo tão valioso quanto o ouro: o nosso solo.


Em um primeiro momento, os portugueses se dedicaram apenas ao extrativismo. Posteriormente, adotaram um sistema de plantation, em que uma única cultura era produzida para a metrópole, de modo que tivemos vários ciclos no país: Cana, algodão, café, etc. Com o passar dos anos e modernização do país, essa cultura de plantation prevaleceu de forma majoritária. Todavia, é importante ressaltar a influência e importância da agricultura familiar, embora ela seja preterida por muitas vezes em detrimento dos grandes latifundiários. Dessa forma, tão importante quanto entender o real cenário da agricultura familiar no Brasil é conhecer quem são seus principais atores. Abordaremos sobre essa questão neste artigo. Por fim, falaremos sobre como a Culte pode auxiliar o pequeno produtor rural. Acompanhe! O que é agricultura familiar? A agricultura familiar é aquela praticada por pequenos produtores rurais, cuja mão de obra é, basicamente, a família do proprietário da terra. Essa característica é o principal diferenciador entre a agricultura familiar e a agricultura patronal, pois esta última utiliza trabalhadores contratados, sejam eles temporários ou fixos, para realizar os procedimentos na propriedade que varia de média ou grande. Dessa maneira, a agricultura familiar tem características e dinâmicas divergentes da agricultura não familiar. Além da gestão compartilhada com a família, há também a diferença no tipo de cultura produzido — enquanto a agricultura familiar produz alimentos básicos, os grandes produtores produzem para exportação, como a soja. Segundo a Lei 11.326 de 2006, que define diretrizes para formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar, além dos critérios para definição do conceito de “agricultura familiar” a diversidade produtiva também é um elemento marcante do setor. Portanto, resumidamente, a agricultura familiar é aquela praticadas por famílias, que, historicamente, produzem alimentos que abastecem a nossa mesa diariamente. Outra característica marcante da agricultura familiar é a relação particular com a terra, pois ao mesmo tempo em que ela é local de trabalho, é a moradia do seu proprietário. Dessa forma, a terra tem valor emocional, além de econômico. Vale destacar que a agricultura familiar, apesar do nome, não está relaciona exclusivamente com a produção de plantas, mas envolve uma série de outras atividades rurais, como a piscicultura, apicultura, produção orgânica, bioenergia, poder nutricional, produtos naturais para fármacos, proteína animal e extrativismo vegetal. Assim como na agricultura, estas atividades também necessitam de e financiamento, apoio logístico, etc. E os pequenos produtores nesses casos também são preteridos durante a concessão de créditos em relação aos grandes produtores. Dessa maneira, precisam encontrar alternativas para criar um cenário em que possam competir em igualdade com os grandes produtores. Qual a realidade da agricultura familiar no Brasil? Nas pequenas propriedades, são produzidos os alimentos de consumo básico e eles abastecem, sobretudo, o mercado interno. Segundo dados disponibilizados pelo governo federal, 70% dos alimentos produzidos no país tem a sua origem na agricultura familiar. Entretanto, apesar da importância dessa modalidade agrícola para o país, os pequenos produtores rurais são preteridos em diversas modalidades de financiamento, públicos ou privados, além de enfrentar grandes barreiras no que diz respeito aos métodos e tecnologias em relação aos grandes produtores. Dessa forma, a principal dificuldade do pequeno produtor rural é o grande abismo que existe entre ele e o latifundiário. Todavia, há maneiras de amenizar essa distância e tornar o mercado mais competitivo. Uma das principais formas é aliando a tecnologia de ponta à produção, como utilização de irrigação inteligente, IOT, Big Data, entre outros. Outra forma de criar condições para aumentar a competitividade é o uso do blockchain e das criptmoedas, diminuindo a burocracia e facilitando o comércio com o exterior. O aumento da competitividade é bom para os pequenos produtores, mas também para todos os outros, assim como os consumidores. Isso porque maior competitividade gera mais inovação, aumento de produtividade e da qualidade dos produtos. Com isso, o agronegócio cresce como um todo. Como exemplo, podemos citar os EUA e Europa , em que a produção agrícola está concentrada nos pequenos e médios produtores, que por sua vez são representadas por famílias de camponeses que detêm a terra por várias gerações e a utilizam como fonte primária de obtenção de renda. Com a distribuição da produção em vários pequenos produtores, aumenta-se a competitividade, o que torna a agricultura a agricultura dos EUA e da Europa uma das mais competitivas do mundo, o que contribui para superar, no caso europeu, o desafio da escassez de encontrar novas áreas cultiváveis. Quais são os principais atores da agricultura familiar? Produtos Entre os principais produtos produzidos pela agricultura familiar que podemos elencar, temos a mandioca — utilizada para a produção de cachaça e farinha, Milho — utilizado para a produção de alimentos e ração, feijão — utilizado como alimento básico para a alimentação da família brasileira tradicional. Entre os principais pontos fortes, temos a terra propicia para a plantação destas culturas em, praticamente, todo o território nacional. Entre as principais dificuldades, destacamos a falta de logística, utilização ineficiente ou inadequada de tecnologia de ponta. Todavia, isso pode melhorar com a atração de investimento e implementação de práticas contemporâneas agrícolas, especialmente as tecnologias que estão contribuindo para revolucionar a agricultura. Capital humano Conforme destacamos anteriormente, a agricultura familiar é formada, majoritariamente, por pequenas famílias. Em geral, elas vivem há várias gerações no campo, seja em terra de outras pessoas, seja na própria terra, tendo uma vivência com a agricultura e uma identidade com o local. Com a popularização do ensino superior, cada vez mais profissionais da área, como engenheiros agrônomos, estão se formando, o que pode ser uma excelente alternativa para profissionalizar e aumentar a produtividade das pequenas propriedades. Como ponte forte, podemos destacar a proximidade e a identificação com a terra. Como barreira, destacamos o mesmo ponto, pois é necessário colocar essa questão de lado e saber exigir um trabalho bem feito para gerar melhor resultados para todos, ainda que do outro lado esteja um parente próximo. Tecnologias Por fim, mas não menos importante, a tecnologia é um ator muito importante para a agricultura. Inicialmente, adotamos a tecnologia de tração animal para otimizar a produção agrícola, fato que perdurou até a revolução industrial no século XVIII, quando as máquinas a vapor nos auxiliaram no transporte e mecanização da produção no campo. Atualmente, atravessamos pela era digital e da robótica, e tecnologias como veículos agrícolas autônomos, drones, fazendas verticais, Blockchain, sensores e Big Data, IOT e irrigação inteligente, entre outras, podem e devem ser utilizadas para otimizar a produtividade agrícola. Todavia, faltava um elo para investidores, pequenos agricultores e compradores para tornar isso possível. Nesse sentido, a Culte foi criada. Como a cooperação pode auxiliar a agricultura familiar? O associativismo e cooperação rural são uma das grandes ferramentas que os pequenos produtores podem utilizar para se fortalecer e competir com os grandes produtores em igualdades de condições. Isso pode ser feito de diversas formas, como a união dos pequenos agricultores em associações, forma mais tradicional, ou participando de uma plataforma que une agentes do setor agrário. Essa última opção é mais inovadora e permite uma variedade maior e opções e utiliza ferramentas mais tecnológicas. Dessa maneira, transformar a participação da agricultura familiar em uma participação associativa e comunitária apresenta-se com uma solução providencial para aumentar os ganhos de escala, capacidade comercial e produtiva dos pequenos produtores. Como a Culte pode ajudar a revolucionar a agricultura familiar? A plataforma da Culte foi pensada para auxiliar a agricultura familiar a se tornar mais produtiva e competitiva, fornecendo aos pequenos produtores tecnologias e metodologias necessárias para tal. Dispomos de uma criptomoeda própria, que facilita e descentraliza as transações entre produtores e compradores. Além disso, a Culte dá a possibilidade do bart para o pequeno produtor rural, em que a venda da produção é antecipada, o que torna possível que o capital da venda adiantada seja utilizado para investir na própria produção. Sendo assim, comentamos sobre os principais atores e informações relevantes sobre a agricultura familiar brasileira ao longo desse texto. Com estas informações você estará mais apto para prospectar novos mercados e construir um futuro mais promissor para o seu negócio. Agora que você já sabe quem são os atores da agricultura familiar brasileira, acesse a plataforma da Culte e conecte-se conosco! Além disso, compreenda como a Culte pretende revolucionar a agricultura familiar brasileira!